sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Prevenção de Acidentes na Infância e Primeiros Socorros

Crianças são as principais vítimas de acidentes domésticos. A curiosidade normal da infância leva a criança a tocar tudo o que encontra pela frente, e é este impulso que expõe os pequenos a diversos riscos. O termo “acidente” define uma situação imprevisível, por isso, devemos estar atentos às situações de risco para que possamos evitar danos irreparáveis.
A prevenção dos acidentes na infância deve ser instituída dentro de casa e nos ambientes sociais.


Os acidentes infantis registram maior ou menor incidência de acordo com a faixa etária e o desenvolvimento motor da criança. Medidas simples desde a mais tenra idade garantem a segurança e a integridade física dos pequenos dentro de casa. A cada fase, os cuidados aumentam e se integram aos da faixa etária anterior.

0 a 6 meses
Nesta fase, os principais traumas são causados pela água do banho, quente demais para a pele do bebê, ingestão de pequenos objetos, quedas das mesas de troca e asfixia por cobertores e travesseiros.
Para evitar queimaduras, o adulto deve testar a água com o cotovelo e evitar beber líquidos quentes com a criança no colo. Os brinquedos devem ser grandes e resistentes, sem pontas, arestas e peças soltas. Na hora da troca, todos os objetos necessários devem estar à mão. Deve-se evitar travesseiros fofos e cobertores pesados.

7 aos 12 meses
A partir desta idade as crianças já começam a engatinhar, a ficar de pé e andar. Também é nesta fase que colocam tudo o que vêem na boca. A atenção deve estar voltada para a cozinha, o local mais perigoso da casa. O ideal é bloquear o acesso, pois líquidos e alimentos quentes, fios elétricos, forno e fogão são riscos potenciais.
Remédios, venenos, produtos de limpeza e demais substâncias tóxicas devem ser mantidas nas embalagens originais.
Para evitar quedas, é indicado bloquear as escadas com portas e portões, e baixar o estrado da cama.
As tomadas precisam ser protegidas.

1 a 3 anos
Nesta idade, as crianças já abrem portas e gavetas, escalam móveis, correm e não tem nenhuma consciência do perigo. Recomenda-se o uso de pratos e copos plásticos e a inspeção dos móveis, a fim de eliminar do caminho aqueles com quinas e bordas cortantes. No banho, recomenda-se o uso de tapetes antiderrapantes e a instalação de grades e nas janelas.

3 a 5 anos
Mais conscientes, as crianças desta faixa etária aceitam e respondem às orientações dos adultos, mas ainda são impulsivas. Nesta fase, a criança interage com outras, tem melhor equilíbrio para correr, e começa a se arriscar em atravessar a rua. Também neste período elas sobem em árvores, ficam em pé nos balanços, brincam com mais violência e reconhecem frascos de remédios. Vigilância severa é a maior recomendação. 










Nenhum comentário:

Postar um comentário